Dom Cláudio Hummes, Igreja na Amazônia: passar do dever fazer para o fazer

Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -

Vatican News

Um dos grandes desafios para a Conferência Eclesial da Amazônia (CEAMA) é passar do dever fazer para o fazer, a fim de aplicar o Sínodo no território. O Papa Francisco na Querida Amazónia, como recordou o cardeal Hummes num comunicado, apela a que assim seja.

O presidente da CEAMA nos lembra que o Papa nos diz: "Deus queira que toda a Igreja se deixe enriquecer e interpelar por este trabalho [do sínodo], que os pastores, os consagrados, as consagradas e os fiéis leigos da Amazônia se empenhem na sua aplicação".

Segundo o cardeal Hummes, ficar com o que devemos fazer, mesmo que seja algo bom, "não é suficiente". Por esta razão, ele vê a necessidade de passar à prática, afirmando que muitas coisas estão sendo feitas, mas que é necessário torná-lo conhecido, procurando trabalhar "em rede e em sinodalidade".

Isto implica, segundo o cardeal Hummes, continuar "indo às comunidades, expondo-lhes os resultados do sínodo, escutando-as e com elas construindo ‘os novos caminhos’, para depois comunicar a toda a rede ‘o que estamos fazendo’. Todo este processo seja realizado à luz da Palavra de Deus e com muita oração. É o Espírito Santo quem nos deve conduzir", insiste o cardeal.

O texto, baseado no número 15 do Instrumentum Laboris do Sínodo, relara algumas das ameaças à Amazônia: pela criminalização e pelo assassinato de líderes e defensores do território; pela apropriação e privatização de bens da natureza, como a própria água; por concessões madeireiras legais e pela entrada de madeireiras ilegais; pela caça e pesca predatórias, principalmente nos rios; por megaprojetos: hidrelétricas, concessões florestais, desmatamento para produzir monoculturas, estradas e ferrovias, projetos mineiros e petroleiros; pela contaminação ocasionada por todas as indústrias extrativistas que causam problemas e enfermidades, principalmente para as crianças e os jovens; pelo narcotráfico; pelos consequentes problemas sociais associados a tais ameaças, como alcoolismo, a violência contra a mulher, o trabalho sexual, o tráfico de pessoas, a perda de sua cultura originária e de sua identidade (idioma, práticas espirituais e costumes) e todas as condições de pobreza às quais estão condenados os povos da Amazônia (Fr.PM).

Além disso, aborda questões mais centradas na vida pastoral da Igreja, tais como "que o Papa Francisco solicita com insistência que se multipliquem os diáconos permanentes na região amazônica", e juntamente com eles, "os ministros leigos e leigas dos vários ministérios instituídos, com destaque dos indígenas".

Para isso propõe algumas medidas, tais como "escolas de diaconato permanente, de catequistas e dirigentes de comunidades, seja mulheres seja homens, agentes missionários com prática sinodal, bem como renovação sinodal do nosso atual clero e dos religiosos/as". Devem ser escolas que "precisarão inovar e se inculturar seja na metodologia seja no currículo".

Reconhecendo que estes são alguns aspectos entre muitos outros, ele pede que o Espírito Santo "mantenha aceso o fogo sinodal na Igreja Panamazônica!", convidando a REPAM a juntar-se à CEAMA para assumir este processo sinodal. Finalmente, apelou a cada jurisdição eclesiástica a partilhar o que está fazendo "relativo aos compromissos, que assumimos na documentação final da Assembleia Sinodal", procurando assim "visibilizar, reconhecer, aprender, socializar e agradecer em espírito sinodal".

Luis Miguel Modino, assessor de comunicação CNBB Norte 1

 
Indique a um amigo
 
CADASTRE SEU E-MAIL

E RECEBA NOVIDADES